Instituto Acus Natus

Medicina Tradicional Chinesa

A Medicina Tradicional Chinesa veio para ficar

A Medicina Tradicional Chinesa veio para ficar

A Medicina Tradicional Chinesa, como se sabe, vem se difundindo no Brasil de um modo consistente, muito além do modismo a que se creditava o deslumbre inicial que despertou, há apenas alguns anos. As razões de tamanho sucesso desta que se pode chamar de uma das mais arrojadas ciências tradicionais do oriente, hoje cravejada no seio de nossa cultura, são diversas. Vão da simplicidade de aplicação de suas técnicas à complexidade com que entende o ser humano e o próprio universo como inseparáveis, unos com tudo o que há. E de todas as razões que elegem a acupuntura, o shiatsu, a auriculoterapia e outros recursos terapêuticos da MTC como tratamentos de destaque atualmente, muitas vezes de primeira importância, a efetividade que encerra nos tratamentos é a principal, ou a que lhe confere seu atual status de uma terapia consistente. Isso se deve por oferecer resultados palpáveis e de modo natural, utilizando a força do próprio organismo da pessoa para buscar o equilíbrio, prevenir e curar doenças.


 Vale lembrar que logo que aqui chegou não despertava além de curiosidade e grande incredulidade quanto a seus efeitos e aplicação. Se o assunto era acupuntura, dizíamos amiúde que se tratava de bruxaria, magia ou algo que os valesse, completamente atônitos diante da novidade. O mesmo ocorria em se tratando das demais técnicas da MTC. O shiatsu e a auriculoterapia, para citar outros exemplos, também galgaram longo e preconceituoso caminho até serem aclamados e bem sucedidos em terras brasileiras. Hoje é raro quem não já tenha se beneficiado de suas propriedades terapêuticas e, por conseguinte, não tenha sido influenciado pelo modo chinês de pensar a saúde em complemento às nossas também milenares crenças.
 

Hoje em dia, depois de uma adaptação que incluiu as mencionadas interpretações e as já ultrapassadas – quero crer - brigas de classe, temos o privilégio de contar com a coexistência pacífica e complementar da medicina convencional, ou biomedicina, e da Medicina Tradicional Chinesa, ambas de grande importância para a saúde das pessoas, em diferentes momentos e circunstâncias. A MTC, por ser uma medicina tradicional que veio ‘ de fora’, continua cumprindo um papel de aumentar sua difusão no ocidente através da ampliação de seu uso, a intensificação de sua prática por parte dos profissionais da área e o conseqüente aumento do número de usuários em todo o país. A lógica é que quanto mais profissionais atuando com acupuntura, shiatsu, auriculoterapia, moxaterapia, ventosaterapia, tai chi chuan e outros recursos terapêuticos da MTC, mais pessoas, em cada vez mais lugares, se beneficiarão, nesse nosso enorme e multicultural (multi-tudo) Brasil. Para tanto os cursos que são oferecidos nesse sentido cumprem um importante papel. Resta aos interessados definir seus objetivos enquanto futuro profissional do ramo e buscar uma formação que atenda a suas necessidades e planos, de acordo com as pretensões de atuação. Há grande oferta em todo o país.

No Ceará, o Instituto Acus Natus procura sempre se manter como referência, promovendo cursos de acordo com a filosofia tradicional de ‘corpo e mente, uma coisa só’, e de tratar a raiz do problema de saúde, ao invés de tratar apenas a sua manifestação (sintomas). Essa postura é uma diretriz da casa e, baseada nela, no momento, há 2 cursos sendo oferecidos: o Curso de Formação em Auriculoterapia e Shiatsu, com início previsto para o próximo dia 04 de agosto; e o Curso de Formação em Terapias Tradicionais Chinesas, também previsto para agosto deste ano (2009). Maiores informações podem ser encontradas nos links específicos deste site, ou através dos telefones: 85 3472-6471 e 8769-6981.

Texto: Sheila Bombonato (Acupunturista e Shiatsuterapeuta)